O ponto que eu quero

Apesar das dificuldades e dos encontrões com pessoas que não fizeram bem, posso dizer que em geral minhas lembranças são mais boas do que ruins. Olhando para trás, sinto que vivi como a protagonista dessa vez. Claro, chorei mais do que antes, briguei mais do que antes e me "Desmontei" bem mais, mas sempre a perseverança estava lá. 

Talvez seja por conta do sentimento de liberdade, de poder andar um pouco e ver coisas bonitas. De achar que tem sempre algo novo para conhecer e milhões de comidas para explorar. Não tinha muitos amigos, me sentia um pouco fora da casinha, mas fiz coisas que eu nunca faria antes: aprendi a ficar mais sozinha e esses momentos foram a cura para os tempos que não eram bons. Pude testar estilos novos, apesar de que ocorreu perdas de salto pelo caminho.

 Estive tão perto dos meus sonhos, que parecem que eles eram alcançáveis . Me elevei a milésima como pessoa, com a força e com o amor por mim mesma. Quem chegou com certeza não foi a pessoa que saiu. 

Acreditava que seria fácil a vida e no fim tive que morar em um local que parecia que eu não era bem vinda. 

Achei que todos seriam parecidos a mim, no fim, todos eram bem diferentes ao ponto que eu que era a diferente no local. 

Achei que iria ser forte, mas várias vezes disse: Não aguento mais. Acho que talvez eu precise desenvolver mais isso. 

Fui com o máximo de confiança e voltei com medo. Fui com um coração fraco em contrair alguém, voltei com ele um pouco mais forte.

Mas apesar disso tudo, aprendi a me desenvolver um pouco sozinha, via as coisas bonitas em pequenas coisas, conseguia ter liberdade para ir e vir. Conseguia colocar meu fone de ouvido e acreditar que sim, eu era a pessoa principal nesse mundo e só eu posso mudá-lo. 

Saudades... Daqui a 7 meses, é o prazo. Como você está, minha eu do futuro? Conseguiu voltar outra vez ao ponto que você queria?



Comentários